Vigilantes fecham agências de bancos no Centro do Rio

bz19hdedqgc6675rdqlt7w5pn Vigilantes fecham agências de bancos no Centro do Rio
Paralisação dos agentes de segurança privada provocou desabastecimento de dinheiro em caixas eletrônicos. Trabalhadores pedem 10% de reajuste

Rio – Correntistas cariocas tiveram dificuldades para sacar dinheiro em caixas eletrônicos de agências bancárias no Centro do Rio nesta quinta-feira. A falta momentânea de cédulas foi provocada pela greve dos trabalhadores das empresas de segurança privada. Manifestantes fizeram passeata pela Avenida Rio Branco na manhã desta quinta, obrigando as agências a suspenderem o atendimento aos clientes por falta de segurança.

De acordo com a Federação Brasileira dos Bancos, entidade que congrega as instituições bancárias, “de uma forma geral, o movimento foi normal nas agências bancárias no Município do Rio de Janeiro”. Por meio de nota, a entidade informou que a negociação salarial é feita por vigilantes e as empresas do ramo.

Segundo o Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio (SindVigRio), cerca de 500 trabalhadores participaram da paralisação na manhã de ontem, menos de 2% da categoria, já que a própria entidade informou que na cidade há 30 mil trabalhadores. Conforme o vice-presidente do SindVigRio, Antônio Carlos Oliveira, o movimento grevista reivindica aumento salarial de 10% e melhores condições de trabalho para a categoria.

1CMP Vigilantes fecham agências de bancos no Centro do Rio

Presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Rio (Sindesp-RJ), Frederico Crim Câmara diz que há uma divisão entre os sindicatos dos trabalhadores e considera esvaziada a representatividade na Cidade do Rio, já que a entidade patronal já fechou o acordo trabalhistas com cinco representações do Grande Rio e do interior.

“Já houve acordo com cerca de 20 mil vigilantes que irão receber 8% de reajuste salarial, retroativo a 1º de março e que será pago em maio. Já os vigilantes do Rio que não querem aceitar o acordo e continuarem faltando ao trabalho terão os dias descontados no próximo contracheque”, afirmou.

Além de aumento salarial, categoria quer redução de jornada de trabalho

Além dos 10% de reajuste sobre o piso de R$ 987, os vigilantes do Rio querem redução da jornada de trabalho de 192 horas mensais para 176 horas mensais, aumento do tíquete refeição para R$ 20, diminuição do desconto do vale-refeição de 20% para 5% e plano de saúde pago pelas empresas. Segundo o sindicato da classe, os vigilantes pedem diária de R$ 180 para atividades em eventos, como a Copa do Mundo.

“É difícil almoçar no Rio com os R$ 11 atuais”, diz o vice-presidente do SindVigRio, Antônio Carlos, Oliveira, acrescentando considerar desrespeito com o profissional de segurança privada fazer desconto do tíquete-alimentação tão alto no contracheque.

Já o Sindesp-RJ informou que fechou acordo salarial com o Sindicatos Estadual dos Vigilantes, e dos municípios de Niterói e São Gonçalo, Petrópolis e Teresópolis, Duque de Caxias, e de Itaguaí e região. Conforme Frederico Crim Câmara, presidente da entidade patronal, além dos 8% de reajuste foram aceitos tíquete refeição de R$ 13 e diária de R$ 100 para participação em eventos.

“Houve um aumento de 33% de ganho real. Se foi bom para estes trabalhadores, por que não seria para os do Rio”, questiona Frederico.

Fonte: http://odia.ig.com.br

 Vigilantes fecham agências de bancos no Centro do Rio
Você pode deixar uma resposta, ou Rastrear a partir de seu próprio site.

Deixe uma resposta

Google+
Powered by WordPress | Designed by: Premium Themes. | Thanks to Juicers, Free WP Themes and
Shares
http://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/fb.png http://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/INT.png http://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/sch-2.png http://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/tw.png http://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/you.png