‘Segurança privada’ já usa armas não letais

Uma portaria da Polícia Federal publicada esta semana autoriza o uso de armas não letais por profissionais da segurança privada. Em Ponta Grossa, as empresas do setor se prepararam para realizar o treinamento dos vigilantes e seguranças e já agilizam a aquisição dos equipamentos não letais. Spray de pimenta, algemas, pistolas de choque e a pistola de dardo energizado que é capaz de paralisar uma pessoa a 10 metros de distância, eram usados até então apenas pelas polícias. Este material poderá ser adquirido apenas com autorização do Exército e será fiscalizado pela PF. De acordo com Marcos Panucci, de uma empresa, os treinamentos para utilização desses equipamentos começam hoje. "Temos mais de 2,5 mil funcionários no Paraná e as empresas regulamentadas pela PF seguirão criteriosamente a portaria", confirma o gerente geral do Grupo Alerta. Segundo ele, a portaria representa uma conquista para a classe. "Isso vem legalizar a atividade da segurança privada", considera. Segundo ele, a utilização das armas não letais acarretará em aumento nos valores cobrados pela segurança privada. "São equipamentos caros e projetamos um aumento aproximado de 7% nos valores das mensalidades dos monitoramentos", avalia. Para o presidente do Sindicato dos Vigilantes, José Nilson Ribeiro, a portaria representa uma novidade e uma preocupação. "Precisamos ver na prática se isso vai funcionar, pois a fiscalização sobre os vigias e empresas clandestinas já é precária, pois a atribuição é da Polícia Federal que hoje não tem aparato humano para fiscalização". Nilson confirma que em Ponta Grossa apenas três empresas são regulamentadas pela PF. Enquanto isso, nos últimos dois anos o Sindicato denunciou 20 empresas clandestinas que continuam atuando na cidade. "Elas mudam de endereço e isso dificulta as ações da polícia ainda mais, porém a preocupação é com a habilitação dos profissionais", completa. Em Ponta Grossa hoje são cerca de 400 vigilantes, mais de mil na região dos Campos Gerais e 20 mil no Paraná. "A proporção da clandestinidade chega a ser o triplo do número de profissionais habilitados", contabiliza.

7 thoughts to “‘Segurança privada’ já usa armas não letais”

  1. :7913: poh,muito bom,todo o equipamento de segurança eh bem vindo desde que utilizado por agentes especializados,mais segurança para o nosso dia dia.agora falta aprovarem o risco de vida !!!!!abraço a toda categoria..

  2. ai quando nos vamos com essa arminha de choquebandido vam 762,45,.40 aou mais isso e um vergonha para nos vt q as imp noa da nem um pis 380 para nos trab nos temos q trab 38 fudido :25.png: :xin: :emot35:

  3. eu acho bom,masna minha opinião tem que fiscalizar mais.NA nossa area tem muito profissional bom meis tem muito xarope,tem muita empresa boa e tambem tem muita tranqueira

  4. boá tarde sou vigilante e tenho orgunho pelo que eu fasso, tem muita vigilante trabalhando na area, pois por motivo de desemprego, só que tem muito vigilante que faz comentario muito desagradavel, não respeita o proprio conpanheiro de serviço?

Deixe uma resposta