andre_mansur_vigilante_que_nao_perseguiu_ladroes_tem_justa_causa_afastada3 Ao divulgar em redes sociais fotos que apresentam seu uniforme, permitem a exposição de dados da empresa e facilitam a identificação do local em questão, um segurança coloca em risco a empresa, clientes e terceiros. Assim, torna-se possível sua demissão por justa causa, com quebra da confiança que o empregador deposita em seu funcionário. O entendimento é da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, que rejeitou Recurso Ordinário movido por um segurança e manteve sua demissão por justa causa, como sentenciou a 20ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. O desembargador César Pereira Machado, relator do caso, rejeitou a argumentação de que a divulgação das fotos não compromete a segurança da empresa, pois dados como o uniforme, CNPJ e logomarca da empresa são de domínio público. Segundo ele, caso a tese fosse verdadeira, qualquer pessoa poderia utilizar o uniforme, dificultando a distinção entre os empregados e aproveitadores que pretendiam entrar em casas ou empresas para cometer crimes. Além disso, de acordo com a decisão, ao tirar fotos “empunhando arma de fogo para frente”, o segurança deixou claro o risco para a companhia. Isso ocorre, apontou o desembargador, porque mesmo que a arma estivesse descarregada, o profissional não estava garantindo a segurança de seu local de trabalho e, em caso de demanda imediata, não seria capaz de atuar na ocorrência. Para o relator, isso deixou claro o potencial lesivo das imagens à empresa. César Pereira Machado afirmou também que o fato de a empresa possuir fotos em seu site não isenta o profissional. Para ele, as imagens publicadas pela companhia “não possuem a mesma conotação ostensiva e expositiva” das fotos tiradas pelo segurança. Não é possível, por exemplo, descobrir em que locais as fotos do site foram tiradas, ao contrário do que ocorre nas imagens pessoais, segundo ele. Ele votou pela manutenção da justa causa e contra o pedido de pagamento de danos morais pela demissão, sendo acompanhado de forma unânime pelos demais desembargadores. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-3. Clique aqui para ler a decisão.   Fonte: http://www.conjur.com.br Se você é Vigilante Compartilhe Vigilante QAP TRT-MG mantém justa causa aplicada a vigilante que postou fotos da empresa em rede social A 3ª Turma do TRT-MG confirmou a sentença que reconheceu a justa causa aplicada a um vigilante que divulgou, em rede social, imagens trajando uniforme e expondo dados da empresa de segurança onde trabalhava. Após analisar o contexto em que tudo ocorreu, os julgadores concluíram que a conduta comprometeu a segurança da empresa, dos clientes e até de terceiros. Por essa razão, negaram provimento ao recurso apresentado pelo trabalhador, no qual ele pedia a reversão da justa causa e indenização por dano moral. O reclamante tentou convencer os julgadores de que as informações e imagens divulgadas são de domínio público e não teriam causado prejuízo à empresa. Mas o desembargador relator, César Pereira Machado, não acatou o argumento. Ele ponderou que, a se entender dessa forma, qualquer pessoa poderia vir a trajar o uniforme da reclamada, ainda que não trabalhasse como empregado dela. Isto certamente traria problemas, em razão da dificuldade em se distinguir quem seria o real prestador de serviços e quem estaria se aproveitando da situação para, até mesmo, ingressar em residências ou outras empresas para praticar delitos. Ainda conforme destacou o desembargador, algumas fotos mostram o reclamante apontando arma para a câmera. A situação foi considerada de risco para a empresa de segurança, ainda que a arma estivesse sem balas ou que o reclamante não tido proveito econômico com as fotos. "Basta pensar que, se por um lado, quem tirou as fotografias passou a não correr o risco de ser atingido por disparo, por outro, o local vigiado ficou sem a efetiva guarda do autor, acaso houvesse a necessidade de ele fazer uso imediato do equipamento, para o fim a que foi contratado", ponderou o magistrado. Nessa linha de raciocínio, o relator entendeu que a conduta praticada pelo reclamante teve potencial lesivo, capaz de comprometer a segurança da empresa e outros envolvidos com o empreendimento. O fato de a própria empresa divulgar imagens em seu sítio na internet não foi capaz de alterar essa conclusão. Segundo o relator, não ficou provado que as fotografias de vigilantes utilizadas pela ré tivessem o mesmo detalhamento das postadas pelo reclamante, as quais traziam até ambientes internos dos clientes da empresa de segurança. "Quebrada a confiança que a reclamada depositou no autor, para bem desempenhar as atividades profissionais a ele incumbidas, não entendo desarrazoada a aplicação da justa causa", registrou o magistrado, dando validade à atitude tomada pela reclamada. O magistrado reconheceu que a justa causa foi aplicada tão logo a empresa tomou conhecimento das imagens, procedimento que considerou correto. Por tudo isso, a Turma de julgadores, à unanimidade, negou provimento ao recurso apresentado pelo reclamante, mantendo a justa causa aplicada. Como consequência, o pedido de condenação da reclamada ao pagamento de indenização por dano moral também foi rejeitado, já que baseado na alegação de abuso com que a dispensa foi praticada, o que foi afastado.   Fonte: http://trt-3.jusbrasil.com.br/

    6 replies to "Há justa causa se o Vigilante divulga fotos e expõe empresa"

    • irio leopoldo dotto

      eu sempre soube que postar o logotipo da empresa contratada ou contratante é motivo de justa causa. tem vigilantes que fazem o curso só pra ostentar. não se deve falar onde trabalhamos.

    • ronaldo

      cada vez vejo mais idiotas imbecis sem noção nos tribunais,o juiz que condenou esse vig estudou para ser besta mesmo,roupas de segurança e policia qualquer pessoa pode ter uma seja uma farda antiga que um vig não usa mais de uma outra empresa ou ate mesmo mandar fazer oque e muito fácil,e fotos meu amigo todo vigilante ou policial seja militar de qualquer força armada tira fotos fardados no ambiente de trabalho,e ai vai demitir tos ? esses juízes deveriam julgar cadeira elétrica para Fernandinho beira mar ao em vez de crucificar um pobre vig.e isso que digo tem pessoas que estuda pra ser burros.

      • wellington

        Cada um tem direito a opinião.. mas o caso é que a profissão de vigilante tem como base a descrição pois é um cargo de confiança e de alto risco. Já no caso referido o sujeito não só postou fotos do local de trabalho como tbm postou fotos empunhando a arma oque é crime.
        O fato que é raro encontrar profissionais de segurança privada e sim, cada vez mais guardinhas. Quem é vigilante de verdade sabe muito bem como desempenhar sua função e nunca vai passar por situação semelhante.

    • ronaldo

      cada vez vejo mais idiotas imbecis sem noção nos tribunais,o juiz que condenou esse vig estudou para ser besta mesmo,roupas de segurança e policia qualquer pessoa pode ter uma seja uma farda antiga que um vig não usa mais de uma outra empresa ou ate mesmo mandar fazer oque e muito fácil,e fotos meu amigo todo vigilante ou policial seja militar de qualquer força armada tira fotos fardados no ambiente de trabalho,e ai vai demitir tos ? esses juízes deveriam julgar cadeira elétrica para Fernandinho beira mar ao em vez de crucificar um pobre vig.e isso que digo tem pessoas que estuda pra ser burros.

    • carlos strafolini

      concordo pela justa causa vamo ficar esperto vigilante

    • Augusto

      nesses dias até chegar atrasado no trabalho vai ser justa causa, isso é um vergonha, e essas merdas de sindicatos que não nos ajuda em nada
      João pessoa querem dar 7 reais de aumento no visa vale, parece que estamos passando fome, essas empresas ganham dinheiro, nas nossas costas e na hora de nos motivar, não vemos retorno, o dicidio anual não querem dar, onde vamos parar?

Leave a Reply

Your email address will not be published.