Por volta das 3 horas da madrugada, ele e um colega faziam sua ronda de rotina quando... O uso de equipamentos de segurança podem fazer a diferença em qualquer profissão. E na de vigilante, onde há sempre o risco de ser alvo de um disparo de arma de fogo, o uso do colete balístico é obrigatório. E foi justamente o colete que salvou a vida de Plínio Marcos Ferreira Aguiar na madrugada de ontem, sexta-feira. Por volta das 3 horas da madrugada, ele e um colega faziam sua ronda de rotina nas dependências do prédio que abrigou o antigo Frigonal, na junção das rodovias RS 287 e RS 411, no Passo da Serra, em Montenegro. Segundo o depoimento, eles perceberam três homens tentando entrar no local onde faz a guarda. Ao vê-los, os homens abriram fogo. Um tiro atingiu Plínio entre o peito e a clavícula, e o projétil alojou-se no colete à prova de balas do vigilante. Caído, em razão do impacto, ele não conseguiu evitar que os bandidos lhe levassem o revólver calibre ‘38 que portava. Os ladrões fugiram em um carro branco.   O vigilante foi socorrido e levado ao Hospital Montenegro. Ele não tinha nenhum ferimento, graças à proteção do colete balístico, que absorveu o tiro disparado pelos bandidos. Um celular que estava no bolso do colete também absorveu o tiro. A Polícia Civil está investigando o caso, e deve pedir as imagens de câmeras de segurança instaladas no local.

Leave a Reply

Your email address will not be published.