Empresa de segurança é isenta de pagar honorários por causa de lei anterior à Reforma

Aplicou-se a norma antiga, pois a Reforma não estava em vigor na data da decisão do TRT.

A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho isentou a Brink’s Segurança e Transporte de Valores Ltda. do pagamento de honorários advocatícios, uma vez que o autor da ação não estava assistido pelo sindicato de classe, não preenchendo, portanto, o requisito do item I da Súmula 219, baseado na Lei 5.584/1970. Conforme a jurisprudência, a condenação ao pagamento de honorários advocatícios não decorre simplesmente da sucumbência, devendo a parte estar assistida por sindicato da categoria profissional e declarar hipossuficiência econômica. A relatora do processo no TST, desembargadora Cilene Ferreira Amaro Santos, ressaltou a existência do novo regime de honorários de sucumbência no âmbito do Processo do Trabalho (art. 791-A, da CLT), instituído pela Lei 13.467/2017, “que deve ser aplicada aos processos novos, contudo não pode ser aplicada aos processos que já foram decididos nas instâncias ordinárias sob a vigência da lei anterior (Lei 5.584/1970)”. É o caso da reclamação trabalhista em questão, apresentada por vigilante contra a Brink’s. Na data que o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) prolatou a decisão recorrida (23/11/2016), estava em vigor dispositivo da Lei 5.584/70 que previa requisitos para o deferimento dos honorários advocatícios na Justiça do Trabalho, “logo, esse é o dispositivo a ser analisado para aferir a ocorrência de violação ou não de lei federal”. Para a desembargadora convocada, a Lei 13.467/2017 não retroage para atingir os eventos ocorridos antes da data do início de sua vigência (11/11/2017), nem os processos cujas decisões foram publicadas antes dessa data. Entenda o caso O TRT-RS condenou a transportadora de valores a pagar ao ex-empregado FGTS, adicional de assiduidade e horas extras relacionadas ao tempo destinado à troca de uniforme e aos intervalos intrajornada e entre jornadas. O acórdão Regional também determinou à empresa pagamento de honorários assistenciais de 15% calculados sobre o valor bruto da condenação. No recurso da Brink´s ao TST, a relatora Cilene Amaro Santos votou no sentido de excluir da condenação o pagamento dos honorários advocatícios, porque o vigilante apenas havia declarado a hipossuficiência econômica para litigar na Justiça, sem estar assistido pelo sindicato de classe. Portanto, não preencheu os requisitos preconizados na Lei 5.584/1970 e no item I da Súmula 219. Por unanimidade, a Sexta Turma acompanhou a relatora. Processo: 20192-83.2013.5.04.0026
Fonte: http://www.jornaljurid.com.br
Você pode deixar uma resposta, ou Rastrear a partir de seu próprio site.

Deixe uma resposta

Google+
Powered by WordPress | Designed by: Premium Themes. | Thanks to Juicers, Free WP Themes and
Shares

“Ebook Grátis 20 Dicas para ser um Vigilante de Sucesso + Dica incrível de como conseguir sua vaga de EMPREGO.”

Baixe o seu agora
Esse Ebook vai te ajudar a:

  • Desempenhar melhor sua função.
  • Ser mais respeitado como profissional.
  • Conseguir uma possível promoção.
  • Conseguir uma vaga de emprego.
%d blogueiros gostam disto:
https://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/fb.png https://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/INT.png https://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/sch-2.png https://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/tw.png https://vigilanteqap.com.br/loja2/wp-content/uploads/2016/07/you.png