Fala meus amigos, no vídeo de hoje eu vou te mostrar por que que o fim da obrigação do Vigilante fazer a barba está cada vez mais perto, e o que você deve fazer para que isso ocorra logo

Origem da proibição do uso de barba pelos vigilantes


No Brasil, essa é uma questão culturalmente estabelecida, mas será que é uma regra que realmente deve ser seguida? Vamos entender mais sobre o assunto.

A proibição do uso de barba pelos vigilantes tem origem na disciplina militar.
As primeiras empresas de segurança privada surgiram no Brasil na década de 1960 e foram criadas, em sua maioria, por policiais militares aposentados. Como a barba não era permitida na carreira militar, esses profissionais também estabeleceram como regras para segurança privada.

Algumas empresas de segurança privada estabelecem em seus regulamentos internos que os vigilantes não podem usar barba. No entanto, é importante ressaltar que essa proibição não é uma lei e não tem respaldo legal. Por isso, muitas empresas já permitem o uso de barba pelos seus funcionários, desde que seja mantida de forma higiênica e aparada.

Trabalhei em uma empresa em que o supervisor carregava barbeadores com ele, se o Vigilante estivesse com a barba por fazer, ele tinha que escolher, fazer a barba com o barbeador oferecido pelo supervisor ou assinar uma advertência, se escolhesse o barbeador, assinava um documento com adiantamento de salário no valor do barbeador que era mais caro do que no mercado.

O fato de muitas empresas estar liberando o uso de barba não significa que ela é boazinha e merece destaque como empresa exemplar que respeita a individualidade de seus funcionários não, mais de 50 anos de Segurança privada no Brasil e só agora foram liberar, na maioria dos casos o motivo é de interesse da própria empresa e não em deixar você à vontade para ter barba ou não.

A falta de respaldo legal da proibição da barba para vigilantes


O Fato é que a Lei 7102, portaria 3233/12, CLT ou qualquer outra Lei não proibe o uso de barba, pelo contrário e a constituição é clara, no inciso II, do Art. 5º da Constituição Federal de 1988, o princípio da legalidade determina que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”.

"A mas é uma norma interna da empresa..." Normas internas de empresa não está acima da lei.


Muitos Juizes nos tribunais do trabalho nem sempre aceitam essa imposição feita pelas empresas, proibindo o Vigilante de usar barba, por que segundo eles isso não faz o Vigilante mais ou menos apto para exercer sua profissão, por isso não faz sentido trazer regras militares para o serviço de Segurança privada, isso fere o direito a vida privada e imagem das pessoas que no Artigo quinto da constituição consta como Invioláveis.
O resultado disso é uma chuva de processos trabalhistas de profissionais que achavam injusto serem obrigados a fazer a barba.

Empresas de segurança privada e a liberação do uso de barba


O fato de muitas empresas já estarem liberando o uso de barba, Não é por que a empresa é boazinha não, não merece parabéns não, demorou até demais a respeitar o direito dos Vigilantes.
A higiene é um ponto importante quando se trata do uso de barba pelos vigilantes. Afinal, esses profissionais lidam com a segurança de outras pessoas e precisam transmitir uma imagem de confiança e cuidado. Por isso, a barba deve ser mantida limpa e aparada, para evitar que fios longos ou desalinhados prejudiquem a aparência e a higiene do profissional.
O uso de barba não deve ser encarado como um problema ou uma limitação para os vigilantes.
Se você quer ter a liberdade de usar sua barba ou não, cabe a você curtir esse vídeo, se inscrever aqui no canal e mandar o link desse vídeo para o maximos de pessoas e grupos possível, assim as empresas vão acabar com essa obrigação para não acabarem ter que pagar uma indenização coletiva.


Leave a Reply

Your email address will not be published.