Vigilantes da Cefor entram em greve por causa de salários atrasados

Vigilantes da empresa Cefor Segurança Privada Ltda, terceirizados nas escolas públicas estaduais de São Luís, entraram ontem (14) em estado de greve por tempo indeterminado. A categoria realizou um ato público na porta da empresa, situada na Avenida João Pessoa, n° 260, no bairro do João Paulo, onde reivindicaram o pagamento dos salários e do tíquete alimentação, atrasados há dois meses. (mais…)

Segurança privada: necessidade urgente

Na Copa do Mundo de 2014 precisaremos de uma segurança discreta, eficaz e preparada para confrontos em potencial. Para isso é necessário que estabeleçamos o marco regulatório da segurança privada no Brasil No Brasil, um exército de dois milhões de vigilantes em atuação no mercado necessitam de regras claras e seguras para continuar trabalhando. A utilização da segurança privada é uma tendência em crescimento no mundo inteiro. No Brasil não deve ser diferente. Governo e sociedade já reconhecem que o Estado não pode arcar sozinho com a responsabilidade da segurança pública e patrimonial. Complementar a ela deve existir a segurança privada como atividade regular. (mais…)

Vigilantes decidem na próxima sexta-feira se continuam em greve 28/08

Na próxima sexta-feira (28), o Sindicato dos Vigilantes e Patronal terão novo encontro para uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Na reunião, a categoria, que está em greve, tenta um acordo para colocar fim na paralisação. No último dia 20, houve uma reunião, mas não houve acordo. De acordo com do Sindicato dos Vigilantes, a categoria exige o cumprimento do dissídio coletivo julgado no início do ano pelos patrões. Esse acordo incluiria tíquete alimentação de R$ 10 em tabela fechada - isso é, 30 dias ao mês; reajuste salarial de 10%; e adicional de risco de vida em 25%. Os patrões oferecem: 8,5% de aumento nos contracheques; R$ 10 de tíquete alimentação por dia trabalhado; e 7% em adicional de risco de vida. (mais…)

Sem acordo no TRT, vigilantes mantêm greve 20/08/09

Terminou sem acordo a audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES), realizada nesta quinta-feira (20), entre os Sindicatos dos Vigilantes e Patronal. A greve da categoria continua por tempo indeterminado. O desembargador do TRT, Gerson Fernando da Sylveira Novais, propôs inicialmente a suspensão da greve durante o período de ajuizamento das ações de cumprimento. Também foi proposto que as empresas começassem a cumprir a sentença normativa a partir de agora, referente ao dissídio coletivo realizado em janeiro de 2009. (mais…)